Junções em trabalhos de madeira

    

Como marcar, talhar e encaixar algumas junções básicas.

trabalho-madeira

As ferramentas de que você provavelmente mais irá precisar são: um serrote de costas; um esquadro de carpinteiro para marcar ângulos retos; um riscador ou uma faca e um lápis para as marcações; uma fita métrica de aço para as medições; cola para trabalhos de madeira; pregos e parafusos; um martelo e uma chave de fenda; uma furadeira e brocas; um formão e um macete.

Junção a topo.

juncoes-madeiraA mais simples de todas as junções. É usada para fixar duas peças de madeira perpendicularmente entre si, fazendo um L ou um T. Marque a extremidade da peça a ser ajustada usando um esquadro e um riscador e em seguida corte-a rigorosamente em ângulo reto com o serrote de costas, de modo que as superfícies a serem unidas se ajustem perfeitamente.

Com a furadeira, abra furos para os parafusos: numa das peças, fure de lado (furos de passagem); na outra, abra furos-guia de pequeno diâmetro para que a rosca dos parafusos possa pegar bem na madeira. Aplique cola nas duas partes em contato e em seguida aparafuse-as uma à outra até a cola escoar da junta. Limpe o excesso de cola.

As fibras da madeira nos topos não oferecem a firmeza necessária à fixação; assim, se a junta tiver de ser forte, introduza buchas de parede nos furos e aperte os parafusos nas buchas. Coloque estas de maneira que alarguem no ponto em que a madeira é mais larga.

Junção superposta.

Esta junção em T pode ser aparafusada, pregada e mesmo colada para maior resistência. Certifique-se de que ambas as superfícies se ajustam e aplique cola; antes de esta secar, confira como o esquadro se as duas peças estão perpendiculares. Coloque os parafusos ou pregos partindo da pela mais estreita para a de maior espessura. Introduza os pregos em diagonal para evitar que a madeira rache.

Encaixe com Entalhe. Uma peça de madeira mais fina é encaixada em toda a sua espessura numa peça ais grossa de modo que as superfícies fiquem no mesmo nível. Pouse a extremidade da peça mais fina sobre a outra peça. Marque a respectiva posição na madeira mais espessa com traços leves ao longo das arestas; em seguida, use o esquadro para desenhar duas linhas paralelas sobre os traços.

Marque a profundidade da peça a ser encaixada, depois use o serrote para talhar até o nível requerido, cortando pelo lado de dentro das duas linhas paralelas. Com o formão e o macete, desbaste a madeira até que a peça a ser encaixada fique bem justa e com a sua superfície no nível da peça mais espessa. Aplique cola nas superfícies que irão ficar em contato e pregue-as ou aparafuse-as uma à outra.

Encaixe à meia-madeira.

Numa das peças de madeira, faça um rebaixo correspondendo à espessura da outra peça. Assinale na primeira peça a profundidade e a largura do rebaixo  com o esquadro e o riscador e depois faça um corte como o serrote de costas. A profundidade de um rebaixo nunca deve exceder três quartos da espessura da madeira na qual é cortado. Cole as áreas de contato; em seguida, aparafuse-as uma à outra ou pregue-as.

Encaixe em T com caixa e espiga.

Esta é uma junção muito resistente, mas requer uma certa prática para ficar perfeita. Para fazer esta junta, você precisará de um graminho de carpinteiro, cujo dois espigões podem ser ajustados para marcar a largura exata da caixa e da espiga. Esta pode ter até um terço da espessura da madeira onde vai ser encaixada, pois uma espessura maior iria tirar a resistência da junção. Comece por marcar as linhas de corte para a caixa e a espiga com graminho e em seguida com um lápis e o esquadro para que fiquem em ângulo reto. Faça a espiga ligeiramente mais comprida para que sobressaia da abertura da caixa e corte depois excedente com o sorrote de costas.

Marque a caixa em ambos os lados da peça de madeira para poder desbastar de um e outro lado. Use a furadeira para abrir uma série de furos ao longo da área assinalada e em seguida utilize um formão e um macete para retirar a madeira, mas trabalhando sempre por dentro das linhas marcadas. Quando a espiga encaixar bem, aplique cola e depois introduza-a na caixa de modo a sobressair do lado oposto. Use o esquadro para verificar se as duas peças de madeira estão em ângulo reto e depois deixe a cola secar. Quando estiver firme, utilize uma lixa grossa enrrolada num bloco de madeira para que a espiga fique nivela com o resto da madeira.

Uma junção com espiga dupla ainda é mais forte, pois é resistente à torção e a pancada. Em vez de uma só espiga, talhe duas lado a lado para inserir em duas caixas. Use um graminho para marcar as linhas de corte com exatidão; as espigas devem ter uma largura igual ao intervalo que as separa. Serre e colecomo para uma junção com caixa e espiga simples.

Encaixe em cauda de andorinha.

Use esta junção resistente para fixar travessas que tenham de suportar peso. Uma espiga, ou malhete, talha em cauda de andorinha na extremidade da travessa entra num corte com a mesma forma aberto na peça a que a travessa vai ser unida.

Marque a forma da espiga na travessa, mantendo a área de encaixe tão ampla quanto possível. Recorte com precisão com serrote de costas, mas sempre por dentro das linhas das marcas.

Coloque a espiga sobre a segunda peça de madeira e risque com um lápis o contorno exato do recorte da cauda de andorinha. Serre os batentes até a profundidade exata do encaixe e desbaste, mantendo todos os lados em ângulo reto. Verifique antes de colar.

Laminados Plasticos

Como cortar e usar para revestimento de superfícies

Os laminados plásticos são constituídos por camadas de papel impregnado de resina ligadas umas às outras a altas temperaturas e sob pressão para formarem placas rígidas. OS laminados plásticos destinados a interiores são vendidos em folhas de tamanho padronizado, embora possam ser também adquiridos com quaisquer medidas sob encomenda, ainda que por um preço mais elevado.

Podem-se aplicar laminados sobre qualquer superfície plana e seca que ofereça umaboa base para cola: o aglomerado de madeira e o compensado são os materiais mais adequandos. Antes de colar o laminado, raspe as superfícies pintadas e envernizadas até a madeira ficar a descoberto.

Existe uma grande variedade de colas indicadas para laminados; no entanto para trabalhos em interiores devem-se escolher colas de contato à base de borracha. Existem também colas resistentes ao calor e à umidade.

Se bem que, normalmente, os laminados plásticos resistam a um uso normal, certos produtos químicos e abrasivos, excesso de calor ou pancadas violentas podem danificá-los.

Não se devem colocar panelas e travessas quentes sobre os laminados plásticos, pois estes podem ficar queimados ou empolados.

Os cigarros e os ferros de passar elétricos e alguns produtos químicos, como, por exemplo, a soda cáustica, a água oxigenada e certos produtos de limpeza que contenham cloro, podem também danificar os laminados.

Deve-se limpar imediatamente qualquer líquido entornado, mesmo em pequenas quantidades(respingos por exemplo). Evite também o contato com abrasivos, facas, instrumentos aguçados e produtos para dar polimento.

Alguns fabricantes criaram tiras de laminado flexíveis, que por exemplo, para arrematar os cantos dos tampos das mesas. Se você pretende revestir os cantos de um painel, certifique-se de que existem tiras de laminado com a cor e a largura desejadas.

Há também, para este fim, tiras decorativas de plástico ou de alumínio, fabricadas numa grande variedade de estilos e tamanhos.

Como cortar e aplicar. Os laminados plásticos podem ser adquiridos com as medidas desejadas. É no entanto mais econômico comprar uma folha inteira com as dimensões padronizadas. Corte com um serrote de dente fino, em um ângulo muito agudo, do lado decorado do laminado.

Pode-se igualmente utilizar uma faca tipo Stanley com lâmina de carbonato de tungstênio. Fazendo deslizar a lâmina contra uma régua, corte a face decorada até a base. Apóie com firmeza uma régua ao longo da linha de corte, segure a parte livre do laminado e levante-a para quebrar.

Lixe a contraface do termolaminado e a superfície a ser revestida. Coloque uma porção de cola de contato no centro da contraface e espalhe-a com uma peça dentada de metal ou uma escova. Repita esta operação na superfície a ser revestida e deixe secar a cola até esta não aderir aos dedos.

As superfícies coladas aderem ao primeiro contato. Coloque algumas varas de madeira sobre a superfície e apóie sobre elas o laminado. Abaixe um dos topos deste e em seguida desloque progressivamente varas de madeira, fazendo pressão sobre o laminado.

Um ouro processo consiste em pregar percevejos nos cantos do tampo da mesa para servirem de guias. Faça deslizar uma folha de papel entre as superfícies revestidas com cola e retire-a, ao mesmo tempo que vai comprimindo o laminado contra a superfície de aplicação.

Deixe a cola secar durante 30 minutos; em seguida acerte a borda com uma lima ou uma plaina pequena. Mantenha a ferramenta na posição vertical contra as arestas da superfície e desloque-a ao longo destas. Não lime de baixo paqra cima, pois correria o risco de danificar os cantos.



Deixe um comentário